Lá vem Maria

Desculpa

mar 19, 2016 por

Há poemas que nos falam a alma e nos acompanham anos ou décadas. Desculpa, de Maurício Távora está nesta minha lista. Não sei se o autor teve outros livros publicados. Conheço um pouco de sua história no teatro, em Curitiba, mais especificamente, no Guaira.

IMG_5477aDesculpa

Os loucos que me perdoem,
mas a distância é fundamental.

Não é, Poeta?

E se ela está num copo de uisque,
melhor, é mais legal,
com garantia constitucional.

Os loucos que me perdoem,
mas o mais-que-perfeito,
esse que não se arrisque
e evite sempre ficar por perto.
Que apague o olhar pretensamente esperto
e vá dar voltas na avenida,
de paletó e gravata.
E que não esqueça a graxa
no sapato, o perfeito nó em cada pé,
o sorriso de lata, a barba feita –
esquerda, direita, esquerda, direita!
Felicidades migo.
Desculpa não ir contigo,
mas acontece que não vais mais,
desde aquele dia que descobristes
o gostoso costume antigo
de ficar.
De ficar – como se diz? – de ficar bem.

Os loucos que me perdoem,
sinceramente,
se com eles não consigo ir também.

Maurício Távora
de VOAVIDA Poesias

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

A LITERATURA DE JOAQUIM SIMÕES

set 25, 2015 por

livros de Joaquim simões

livros de Joaquim simões

 

Faz pouco, concluí a leitura dos livros de Joaquim Simões. Sempres (poesia) li em 2014,  antes do lançamento oficial. O Fusquinha de Rosinha Albuquerque (crônicas) e Mamãe e o complexo do ovo (contos) foram as companhias na viagem da última semana, pela mineirice do avô materno que pouco conheci, mas que atravessou geração para impregnar meu jeito de ler o mundo. Desta viagem replico, sem pedir permissão ao autor, um pedacinho de “Véspera”, um dos contos que me cativaram.
“Como não me lembrar daquele festeiro moço sempre brincando, fazendo comentários tão óbvios, e ao mesmo tempo tão estonteantes, a respeito disto ou daquilo? Eu embasbacado? Só me restava chacoalhar a cabeça e concordar: é mesmo, né pai? ele ria de minha cordata idiotice, seus olhos claros me atravessando, como um alvo rio sereno atravessa, pelo meio, o verde e um arrozal.”

Boa surpresa para literatura Curitiba.

 

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

La vem Maria

maio 4, 2011 por

La vem Maria

enrolada em seus trapos que chamam de manto.

Com papel e lápis,

retratando a cidade

e seus rostos torpes ou belos,

lá vem Maria.

Maria que é gueixa e também guerreira.

Maria menina.

Maria senhora.

Maria travessa.

Maria que é a Maria que somos.

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar