Lá vem Maria

OPS! defloculei os nós

dez 9, 2017 por

ilustração: Erly RicciAcordei estranha. Bem estranha.

Pulei da cama com leveza de quem perdeu quilos e quilos, e eu, que nem queria perder nada, corri pra frente do espelho. Olhei a estampa refletida e os quilos estavam no mesmo lugar. Os quilos e a leveza, também. Além dela, outros sintomas: maleabilidade, mobilidade, alegria, disposição e uma vontade doida de fazer uma coisa ainda mais doida: criar, criar, criar!

Não dava pra deixar rolar a coisa estranha que ia tomando corpo sem controle. Parei. Daria um basta e, sem demora, fui puxando os fios dos nós.

Ops! Ops! Cadê as rasteiras que levei? Não eram mais rasteiras e lá estavam só os fatos consumados. Naqueles momentos, nos lá de trás, serviram para alguma que não lembrava. Ah, mas tinham as pessoas, aquelas que me magoaram e com certeza elas dariam um jeito.

Ops! Ops! As mágoas já não estava lá. Um discernimento constrangedor aparecia de mãos dadas com as lembranças. Que era aquilo? O que aquela espécie de entendimento multifacetado que meu repertório não permitia, mas que insistia em ficar por ali? Ah, mas tinham as dores! as velhas e tão bem cuidadas dores!

Essas, eu creio, entraram em férias ou partiram sem qualquer aviso. A decepção, onde foi parar? Os feixes de frustração? As reclamações diárias? Os empecilhos, onde estavam?

A respiração fácil, o bem estar corporal, a fluidez das boas emoções: coisas esquisitas aconteciam num dia esquisito de esquisita celebração. O jeito foi acomodar-me ao imprevisto e esperar por um estorvo qualquer que confirmasse que aquele dia era meu. Atravanco, dificuldade, impedimento, impasse, obstáculo sempre acontecem no decorrer do trabalho e comecei. Primeiro, a água no batedor de barbotina. Nenhum problema. Depois, com a máquina em atividade, a argila seca adicionada aos poucos. Nem um espirro. Pra que tudo tivesse efeito previsto, um tanto de caulim e outro de filito. Nada escorregou para fora do batedor de barbotina. Em tempo contado, como deve ser contado o tempo dos dias desventurados, o creme espesso, tão espesso quanto vitamina de abacate, estava pronto. Pra finalizar, as gotas de defloculador de sempre.

Ops! Ops! Num instante, o creme virou líquido. Num instante o creme espesso, tão espesso quanto vitamina de banana, rodava ao impulso da hélice. Rodava fino, leve, cheio de mechas acetinadas, como deveria ser uma boa barbotina!

Ops! Ops! Alguma coisa aconteceu! Acho que defloculei os nós e desconfio que a desventurança não será recuperada!

ler mais

Posts Relacionados

Tags

Compartilhar

SOBRE O AMOR, A INTOLERÂNCIA E A AMEAÇA NO CÉU CURITIBANO

set 13, 2017 por

Hoje, 13/09/2017, foi o segundo e último dia de FLICAIXA Curitiba. Escolhi participar dos três eventos da tarde. Diversos, ricos e gostosos eventos. Conceição Evaristo e Luci Collin transbordando sensibilidade e quebrando as bordas limitantes dos estereótipos do feminino e do masculino. Xico Sá e Fabrício Carpinejar, entre o humor e emotividade, transitando pelas histórias pessoais e, consequentemente, de seus nichos sociais e do Brasil, sem deixar de lado a crescente intolerância. Mary del Priore abrindo outras escotilhas para a história do Brasil.
Entre o segundo e terceiro evento fui à praça Generoso Marques ver o discurso do Lula. De um lado o caminhão onde os discursos aconteciam – o do Lula foi o último. Do outro, o prédio do Sesc Paço da Liberdade. Entre os dois, as pessoas. Trabalhadores ligados a diferentes organizações.
Quando Lula chegou ao caminhão de som apareceu no céu e, pairando e rodando em torno do prédio do SESC, um helicóptero com luminoso de propaganda. Perdi o começo da “mensagem”. Não tenho certeza, mas parece que anunciava que um hotel prestava apoio a Polícia Federal, ao Ministério Público e a Lava Jato. Com humor sarcástico pensei que com o fracasso de bilheteria da peça publicitaria da Lava Jato – o filme A lei é para todos –  faziam propagando para o público do Lula. E, mais uma vez, amargavam fracasso. Lula falou pouco. Estava rouco. Mas enquanto falou, era nele que todos grudavam olhos e ouvidos.
Ouvi algumas pessoas comentando que o helicóptero estava tentando impedir que ouvissem o Lula. Confesso que  gostaria de ver a cena pelo mesmo ângulo. Mas  li o resto da mensagem. Li a referencia a “ladrões”. Li a ameaça de prisão.
Bom seria se fosse uma tentativa de publicidade para o filme ou de abafar a voz do Lula,  mas não era. Senti como ameaça explicita.
Voltei ao FLICAIXA, ouvi Mary del Priori e tomei o caminho de casa acalentando os ganhos nos eventos com os escritores . A amplidão do universo daquelas mulheres; a beleza daqueles homens que destrincham a intolerância enquanto deixam vazar o afeto de pais; o cuidado com o qual a pesquisadora puxa os fios da nossa história.
Voltei cultivando os ganhos, mas a ameaça não me abandona. Qual o nome do hotel? Quem autorizou? Por que autorizou? Para que autorizou?
Ainda considerei que se estão a ameaçar, estão assustados. Significa que a operação realmente não se mantém dentro da legalidade. Quem tem medo tem culpa. E quem tem culpa e medo não mede o que faz.
Continuo vendo, na ação, uma ameaça. E é como ameaça que acredito que deve ser investigada.

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

A REDE

maio 30, 2017 por

TVQuerida Margarida,

Não sei o que imaginas, mas tenhas certeza que o longo tempo de silêncio não é sinal de esquecimento. Continuo a cultivar tua presença, ainda que à distância e, enfim, compreendo teus dias de recolhimento e silêncio.
Vivo um estranho trânsito e estou mais ensimesmado que de costume. Ainda nesta manhã foi necessário esforço para deixar a cama. Entrei, à revelia, num estado que, imagino, entre adormecido e em vigília. Neste período que não sei se de minutos ou horas, experimentei aconchego e tranquilidade. Estava noutro espaço e fui impelido a superar o desejo de lá ficar. Vivi a sensação de ter que deixar a casa que abriga e conforta e pisar no mundo das lutas e enfrentamentos. Compreendi que ainda tenho tarefas neste mundo e não posso ficar, definitivamente, do outro lado.
Desperto, busquei a ti. Colorida e risonha, transitavas entre as crianças que acolhes e acompanha. Papéis, tintas, colas, tesouras, tecidos, fios, criação e afeto a rodeavam. Lembranças do dia de sol, um dos primeiros da última primavera, quando a observava em uma de tuas aulas, no pátio da escola. Teu mundo está mais próximo daquele que vivi em transe que deste, no qual caminho agora.
Tenho olhado para esta realidade concreta com estranheza e susto. A televisão é um dos aspectos que mais causa desassossego. Estou a referir-me à rede que nada respeita, e que invade, indistintamente,  os espaços urbanos e rurais. Nas salas de espera de consultórios e laboratórios, nos bares e restaurantes, nos ônibus e táxis e até nas casas de vendem frutas e verduras, os aparelhos que repetem as mensagens da rede estão presentes. Nunca os encontro desligados. Com frequência é impossível ouvir com clareza os apresentadores e outros personagens, mas ainda assim, parecem funcionar como ópio ou morfina.
Sabes, Margarida, que o ruído subliminar dos eletrônicos traz-me desconforto e os evito. Mas, obrigado a dividir espaços com os aparelhos da rede, não pude furtar-me à consciência da incessante repetição dos conteúdos e, em particular, de um único ponto de vista, levado a extremos.
A meu ver, conviver com a repetição incessante já seria enlouquecedor. Mas, não bastasse, as versões apresentadas são obscuras, tendenciosas e carregadas de desesperança. Reconheço, nas entrelinhas dos anúncios e pretensos informativos, a mesma ideologia desnudada por Émile Zola em O Germinal. Mas se no romance naturalista, Zola trouxe à luz a morbidade dos mesmos, nos entretenimentos da rede, viajam incógnitos e se propagam como vírus e bactérias. Diferem no meio de propagação, mas não na essência. Atravessam séculos, servindo para os mesmos fins.
Creio que a absoluta ausência de silêncio e distanciamento não permitem que os efeitos sejam detectados. Ocorre o mesmo com a artificialidade de cada quadro, seja dos noticiários ou das declaradas ficções, nunca percebida.
O que, para mim, seria torturante, é hábito coletivo e compulsivo, desencadeado pelo ato de acionar o botão de controle. Todos os dias e noites, praticamente em todos os espaço, a rede está presente, consumindo preciosas horas de vida que poderiam ser de silencio, de leitura, de construção de arte e beleza ou de atenção dada ao outro.
Perplexo, recorro a ti e a tua lucidez. Diz-me, Margarida, como consegues transitar pelos vãos da rede e cultivar o afeto que a vejo distribuir aos meninos e meninas, com os quais divide sua arte?

 

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

Sobre Tua Concepção Do Divino

abr 4, 2017 por

IMG_1835a

Margarida de olhos açucarados, sonhei que estava a abraçar-te. Em sonho experimentei teu calor e tua ternura. Acordei a sentir-me renovado e capaz de enlevar-me com o sol da manhã, apesar dar dores do planeta.

Sabes que entendo este mundo como transito. Concebo que, na passagem por aqui, vivemos diferentes facetas de uma mesma realidade. Assim, ganhamos entendimento e ampliamos nossa compreensão do mundo e dos outros. Sabes também que não temo a morte. Mas carrego a impressão de que, partindo agora, deixaria tarefas inacabadas.

Retomo o assunto de tantas conversas movido pelo aparecimento de alguns sintomas que não descreverei. Provocaram preocupação e considerei buscar cuidados médicos. Titubeei. Oscilei entre o desejo de lançar-me ao universo e o de avançar com essa insensata viagem. Imaginava as paisagens, as pessoas, os ritos e crenças que talvez venha a encontrar e as contrapunha à liberdade de partir sem o corpo e suas limitações. Há experiencias do mundo concreto que ainda desejo. Mas confesso que a ideia de ir sem voltar a ver-te foi a propulsora da decisão tomada. Enfim, estou a cuidar-me. E hoje, ao abraçar-te em sonho entendi, que antes, preciso aprender a viver o amor e a entrega.

A cada trecho de estrada, cresce a certeza de que os laços de afeto, o pertencimento, o ato de cuidar e ser cuidado fazem a essência da vida. O propósito de cada um faz com que sejamos únicos. A realização desse propósito, no entanto, não nos obriga a abandonar o pertencimento. Compreendo que a evolução da consciência particular nos aproxima da consciência plena. Creio que, enfim, estou a aproximar-me do teu entendimento de Deus.

Talvez o que chamo de entendimento seja mais um equívoco. No entanto, crer que vislumbro os alicerces do acolhimento que encontrei em ti, traz-me alento. Seguirei sem religião, mas deixo para trás, o rótulo de ateu.

Todavia, a perplexidade com os descalabros da vida mundana continua a acompanhar-me. Neste período de adoecimento, vi-me obrigado à via sacra entre especialistas. As longas permanências em salas de espera, antes de desencadear ansiedade ou irritação, fez-me deparar com facetas do mundo que antes escapavam aos olhos de astronauta desgarrado. Em cartas futuras dividirei contigo essas reveladoras impressões.

ler mais

Posts Relacionados

Tags

Compartilhar

Saudades do que não vivi

fev 13, 2017 por

casalTenho saudades de ti, Margarida.

Tenho saudades do teu carinho e de tuas caricias.

Talvez possa chamar-me tolo, mas maiores são as saudades dos prazeres que não vivi.

Nas noites em tua companhia não furtei-me a conduzir os afagos e a induzir intimidades, às vezes, beirando a determinação. Parti desconhecendo a entrega.

Não creias, terna amiga, que escrevo lamentações. São apenas confissões e além delas, está o desejo de dar-te a saber que reconheço o mundo de ternura que existia ao lado.

Mas é tarde, Margarida. Tarde para impedir que a inteireza da entrega sucumba a indignação. Vivi a guerrear contra o roubo da vida. Ingênuo, não vi que a minha, eu entregava aos ladrões.

Continuo a olhar o mundo com a zanga dos desajustados, mas não posso furtar-me ao discernimento. Reconheço que fui pego em vil armadilha. Lutei com as armas dos ladrões, deixei que tomassem os sentidos e os sentimentos, e contaminassem sonhos e crenças. Dei-me a ira e a gana de vencer a batalha. Quem está  tomado a luta insana, não pode dar-se ao afeto.

Mas não é tarde, Margarida. Não é tarde para mudar as armas. Encontro na tua capacidade de resistir aos chamamentos da violência, os meios para barrar em mim, a vitória dos ladrões de vida.

Cultivo hoje, a força silenciosa que recebi de ti.

ler mais

Compartilhar

Doce Margarida

fev 4, 2017 por

IMG_0806Doce Margarida,

Sigo por ruas silenciosas e vazias, mas não vou só. Insisto em carregar-te ao lado e a ti faço confidencias que a ninguém mais ousaria.

Sei que pensas que sou um  poço de contradições e não nego, tens razão.

Não a quero perto e não a abandono. Faço de ti a amiga invisível sem, contudo, dar-te o desfrute de minha companhia ou a angústia de minhas incoerências. Temo que a possa perder e temo que estejas a esperar por mim.

No escuro do quarto lembro de ti, Margarida, a olhar-me com olhos de mel e a esperar que depois do sexo a envolvesse com carinho. Eu, a abjurar da entrega, fugia para os cantos escuros da alma.

Faz-me falta a tua doçura e o teu encanto. Mas bem sei, Margarida, que não vim ao mundo preparado para o amor. Cultuo o que me destes e sigo, desterrado de mim.

Tens o direito de deixar-me à deriva e então já não existirão laços com o planeta. Minha estrada não é de terra e,  à semelhança de um astronauta desgarrado, vivo sem raízes. De minha nave imaginária espio esse insensato formigueiro humano, do qual nunca consegui ser parte. Quando lançado a ele,  desvio dos carros e multidões e nas ruas vazias, dou-me ao estranhamento.

A vida, amiga, não é senão experimentação. Mergulhos descabidos em versões moldadas pela loucura coletiva e confesso, vim ao mundo desprovido da capacidade de pertencer.

ler mais

Posts Relacionados

Tags

Compartilhar

Todos os filhos do mundo

dez 13, 2016 por

 

CIA, Narcotráfico, grande  imprensa, golpes e cinema e a destruição das nações, incluindo a nossa.O cinema pode ser mais fiel que os livros de história.

“Missing (br: Missing – Desaparecido, um grande mistério / pt: Desaparecido) é um filme estadunidense de 1982, do gênero drama, dirigido por Costa-Gavras.
O roteiro é baseado no livro The Execution of Charles Horman: An American Sacrifice, lançado em 1978 por Thomas Hauser, que conta história verídica de Charles Horman que vivia no Chile na época do golpe de 1973 que depôs o presidente Salvador Allende.
(…) Por fim, Ed e Beth descobrem que Charles foi assassinado no Estádio Nacional e enterrado numa parede, uma maneira comum da repressão chilena esconder os corpos dos torturados. Revoltado, Ed tenta inutilmente processar Henry Kissinger, o então Secretário de Estado de seu país.”
(https://pt.wikipedia.org/wiki/Missing_%28filme%29)

Nos sites que tem o cinema como foco, há diferentes sinopses para o filme Desaparecido, um grande mistério, de Costa-Gravas. Algumas mais instigantes que a descrição da Wikipédia,  escolhida e transcrita acima. Golpe militar, tortura, morte, intervenção dos Estados Unidos nos nossos países são temas saturados, que gostaríamos que sumissem de nossas vidas. Então por que assistir filmes que tratam dos temas?

Fosse objetivo levar o leitor ao filme, melhor seria escrever que Desaparecido mostra a busca incansável e corajosa de Beth, companheira do desaparecido, e de Ed, empresário americano e pai do mesmo. Apelo semelhante seria usado, caso os meios de comunicação tivessem algum interesse na promoção do filme. Mas esse não é um dos sucessos hollywoodianos que vendem os heróis americanos.  Desaparecido encabeça uma pequena lista das histórias de nossas vidas que viraram filmes. A lista poderia ser maior, mas para a reflexão pretendida, bastam 3 ou 4 produções.
Depois de Desaparecido outros filmes produzidos nos Estados Unidos, com base em fatos reais, denunciam as ações nefastas desencadeadas por aquele pais em territórios que não lhe pertencem. Outros holocaustos que não recebem holofotes. Afinal há interesses e muito poder em jogo. E para o poder, a vida é mera retórica.
Estado de Sitio (État de siège), do mesmo diretor, é uma produção franco-teuto-italiano de 1972. Ainda não estávamos no auge das ditaduras que solaparam as Américas do Sul e Central, mas os fatos referendam a narrativa, que delata tanto a participação norte americana na queda dos governos eleitos, como seus métodos. O mundo, incluindo a ONU e todos os outros órgão de defesa dos direitos humanos não prestaram atenção no que Costa-Gravas alardeava. E parece que continuam não prestando atenção, mesmo quando as denuncias são feitas pelos próprios americanos.
O filme Jogo de Poder,  baseado nas memórias da ex agente da CIA, Valerie Plame, mostra as consequências sofridas por ela e por seu marido, o diplomata Joseph Wilson, depois que ele  revelou que o governo norte americano, presidido por Jorge W. Bush, manipulou informações sobre armas nucleares iraquianas para invadir o país, com ajuda da Inglaterra. A história revela, além dos métodos americanos,  intervenção na imprensa ou, talvez, a cooperação velada entre a CIA e a imprensa ou parte dela, que atuou para destruir moralmente o diplomata e a agente.
Mais recente, de 2014, o filme O Mensageiro (Kill the messenger) narra a história do jornalista americano Gary Weeb, que investigou e tornou pública, a associação da CIA com o narcotráfico. A denúncia está focada no período em que o órgão financiava e treinava os grupos que lutavam contra o governo Sandinista, na Nicarágua.  A parceria entre CIA e narcotráfico responde pela disseminação do craque, que antes invadiu os bairros pobres e negros de Los Angeles e que agora faz parte das cenas diárias das nossa ruas. O filme também transita pela associação do órgão com a grande imprensa, que age para destruir a reputação do denunciante.
Além de Gary Weeb, Michael Levine, ex agente do DEA que atuou 25  anos no órgão,  denunciou exaustivamente a associação da CIA com o tráfico em entrevistas, vídeos para Youtube e, principalmente,  nos livros Deep Cover e The Big White Lie (em espanhol, La Guerra Falsa). Segundo Levine a parceria ocorre desde a guerra do Vietnan.   Produtores e traficantes de heroína eram aliados de guerra. A parceria com o narcotráfico também estava presente no golpe de 1980, na Bolívia, quando os produtores e traficantes de cocaína foram os donos absolutos do poder.
Michael Levine não só sustenta que a imprensa norte americana é parcial como deixa claro que a ação da mesma é fundamental para manter esse tipo de ação. Cabe a ela, além de destruir moralmente qualquer denunciante e apresentar versões parciais, também alimentar a ilusão do combate ao tráfico.
Temos portanto, uma tríplice aliança, que se transforma em uma rede de alianças, com os mais diversos interesses: armas, petróleo, minérios, água, mercado para produtos.
Qual o nosso interesse em tudo isso?

Há muitas semelhanças entre os padrões da grande imprensa dos Estados Unidos e a da nossa. Há muitas semelhanças entre o que aconteceu na Bolívia em 1980 e 1981 e o que acontece aqui. Há risco de sermos a nova praça de guerra da CIA. Há riscos do país, que já é um dos maiores consumidores de cocaína do mundo e uma das principais rotas do tráfico da América Latina, se torne, definitivamente, uma mega corporação das drogas ilícitas.

Em O Mensageiro, cidadãos do sul de Los Angeles conseguem uma reunião com o diretor da CIA. No encontro falam da destruição da vida de seus filhos e questionam as ações do órgão. Em Desaparecido, o empresário americano e pai da vitima, afirma que processará os responsáveis por deixarem que seu filho, um cidadão americano, fosse torturado e morto. Ele realmente tentou processar o então secretário de estado dos EUA, Henry Kissinger, mas foi derrotado.

Nos dois casos discute-se a segurança dos filhos dos americanos. Mas as ações da poderosa CIA, que circula pelo mundo disfarçada de benfeitora, mata os filhos dos cidadãos de todo o mundo. Não importa quem é, de onde é, filho de quem é. Nada importa, senão o poder.

Golpe, violência, tráfico, perda de direitos, intervenção dos Estados Unidos  são temas saturados, que gostaríamos que desaparecessem de nossas vidas. Mas para que consigamos, o mundo precisa dar um basta as ações CIA, aos meios de comunicação e, consequentemente, diminuir a força do tráfico.

ler mais

Posts Relacionados

Tags

Compartilhar