Lá vem Maria

Eu e meus surtos de lucidez

set 15, 2016 por

CONJECTURANDO SOBRE CUNHA E DILMA:


Bastaria traçar um perfil de Dilma para ter certeza de que ela não cederia a chantagem de alguém tão corrupto quanto Cunha.
Bastaria traçar um perfil de Cunha para saber que, sob ameaça, ele iria ás últimas consequências.
Colocando Cunha na presidência da Câmara, entrando com pedido de impeachment da presidente e apertando o botão para que o deputado ficasse sob ameaça da comissão de ética, a bomba estaria com o estopim aceso.
Juntando a estratégia com ações dos velhos meios de comunicação que desde 2005 trabalham em rede para destruir moralmente os governos eleitos e adicionando outras, como por exemplo, a criação e/ou apoio aos grupos pró impeachment o que temos?
Confrontos entre segmentos sociais exacerbados, crescimento da incapacidade de discernimento e da capacidade de critica, desesperança, desistência.
Parece loucura? Devaneio?
Parem e pensem.
Um jogo ardilosamente montado. Arquitetado muito antes da última eleição. Um cruel jogo de xadrez feito com peças humanas.
Cunha, o aparente todo poderoso nem chegou a ser o rei do tabuleiro, como pensou ou demonstrou ser. Talvez uma torre, um bispo ou cavalos, mas nunca rei ou rainha. E se antes era uma peça travestida de outra, hoje é Boi de Piranha. E Boi de Piranha serve para saciar os peixes enquanto a manada atravessa o rio. E neste caso, o rio é o limite entre termos ou não um país onde morar , termos ou não uma nação que nos acolha, termos ou a gerência do Pré-Sal e da Petrobras, termos não água potável.
O Brasil não é o melhor lugar do mundo. E nem sei se há um melhor lugar no mundo. Mas é o nosso lugar e se superarmos ou minimizarmos nossas contradições podemos ter uma pátria melhor, mais humana. Para onde migraremos se deixarmos que desmontem nosso lugar de viver?
Sim, os golpistas traem aquela que seria a própria pátria. Sim, é necessário que sejam julgados por isto. Mas há uma questão que se impõe:
Onde está a cabeça desse desmonte da nossa nação? Quem ou o que brinda Aécio, José Serra, Temer e companhia? Quem ou o que determina as ações do judiciário que deveria sustenta aplicar a lei e manter a integridade da nação brasileira?

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

Minha Resposta a Silas Malafaia

maio 14, 2016 por

Segundo  uma postagem que entrou na minha página do Facebook, Silas Mafalafia escreveu: ” OS ESQUERDOPATAS ESTÃO CHORANDO PORQUE TEMER ACABOU COM UM DE SEUS ANTROS, NO MINISTERIO DA CULTURA.”

Escrevendo”Esquerdopatas” ele junta esquerda com psicopata. E eu sou de esquerda. Mais de esquerda que o PT.  Mas, conhecedora de psicologia e psicopatologia, afirmo que um psicopata  é  incapaz de empatia, de se colocar no lugar do outro, de considerar ou respeitar as necessidades do outro. Portanto,  o grupo que acaba de apropriar-se da vida de 200 milhões de pessoas e estabelecer um plano de governo que retira direitos,  joga na miséria um imenso contingente de indivíduos de todas as idades, que se posiciona contra o aborto enquanto estabelece politicas que matarão bebes de fome e de falta de atendimento e que alimenta a violência está muito mais próximo do conceito de psicopatia que nós,  de esquerda.

Somos designados ” de esquerda” exatamente por sermos sensíveis ao sofrimento humano e lutarmos por uma nação igualitária. Sofrimento que o grupo ao qual Malafaia pertence irá aumentar abruptamente.
Quanto ao Ministério da Cultura, sim, eu sinto pela extinção e pela saída do admirável sociólogo Juca Ferreira.

Sinto ainda mais, porque sei que farão o impossível para eliminar   os resultados do trabalho que o historiador e escritor Célio Turino desenvolveu: O Programa Cultura Viva.  Um programa do MINC que mudou o paradigma na elaboração de politicas públicas na esfera da Cultura e  viabilizou a criação de milhares de Pontos e Pontões de Cultura, atingindo milhões de pessoas e criando milhares de postos de trabalho.

O programa, iniciado na gestão de Gilberto Gil, teve continuidade com pelo Juca Ferreira, ambos no governo Lula.
Foi e ainda é o melhor trabalho na área de cultura que já tivemos em todos os tempos. Articulado em rede e fomentando a diversidade, é também o melhor programa contra a exclusão e, consequentemente, contra a violência. .

É indispensável ter informação correta, lucidez e capacidade de empatia (ausente nos psicopatas ) para perceber o valor das ações desencadeadas em propostas dessa ordem. Mas está claro que o grupo que se apoderou do país quer acabar com tudo isso e, também restringir a educação pública, para eliminar qualquer resquício de pensamento crítico da sociedade brasileira. E não duvido que, ao mesmo tempo,  ampliem os domínios dos meios de comunicação que, nos últimos 11 anos, trabalhou de forma antiética e sistemática, para colocá-los no poder.

Por tudo o que vemos, é preciso lembrar que Juca Ferreira, em reunião com os representantes dos pontos de cultura, salientou: “É um erro transferir a dinâmica que vocês representam em seus territórios para o Estado. Se não, em vez de fortalecer, vamos enfraquecer. Vocês são representantes da complexidade cultural que o Brasil é”. 

Juca ainda explicitou que o  cenário econômico brasileiro e o avanço de movimentos reacionários, ameaçavam “a perenidade da conquista de direitos já adquiridos, inclusive culturais”. Enfatizou ainda a importância da atuação dos “Pontos de Cultura para garantir avanços e contribuir no processo de democratização. “

Além de Juca, Adolfo Pérez Esquivel aponta a importância da diversidade cultural na instrumentalização do processo democrático e alerta para os riscos do que chama de “monocultivo das mentes”.

Estamos experimentando os danos do monocultivo praticado pelos grandes meios de comunicação instalados no Brasil. Vivenciamos a alucinante impossibilidade de contra argumentar, de fazer chegar a uma parcela da população que sofrerá os danos do golpe, informações pertinentes.
Não faço parte de nenhum Ponto de Cultura. Convivo com integrantes e conheço a boa pratica de alguns desses pontos.  Afirmo, sem titubear, que a postura delineada por Juca Ferreira, Celio Turino e Adolfo Perez Esquivel, é aquela que precisamos que integrantes dessas unidades  assumam. É necessário, ainda, promover a autonomia econômica das unidades e ampliar suas ações para que sejam instrumento de resistência.

Quando eliminar o livre pensar é a desejo de um governo ilegítimo, fortalecer a diversidade, aumentar o comprometimento com praticas educacionais que permitem o pensamento crítico é o mais eficiente ato revolucionário.

As imagens da galeria são de um dos bons pontos de cultura do Paraná, obtidas quando Erly Ricci e eu, registramos o trabalho da Associação de Cultura Popular Mandicuera, registrado na página:

http://projetointerfaces-solasol.blogspot.com.br/

Parte do depoimento de Adolfo Pérez Esquivel, que inclui sua visão de” monocultivo das mentes” , está em https://www.youtube.com/watch?v=KmVol94yGQM

 

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

O Segundo Mandamento

abr 19, 2016 por

A votação ainda estava acontecendo, mas as charges e piadas relacionadas já inundavam as mídias sociais. Creio que é pertinente afirmar que esse humor ácido foi a forma encontrada pelos brasileiros para extravasar a indignação provocada o circo de horrores da Câmara Federal, do dia 17 de abril de 2016.
Nós tivemos um revés. Dependendo do curso da história e, o Senado indica essa possibilidade, o revés pode se transformar em derrota.
Nós, no caso, não faz referencia direta ao PT, ao PCdoB, ao PDT ou a esquerda brasileira em geral. O pronome representa trabalhadores rurais, comerciais e industriais.  Indica pequenos agricultores,  prestadores de serviço,  microempreendedores individuais,  profissionais liberais que não atendem aos mais ricos,  profissionais da cultura e da educação. Está representando os Sem Terra, Sem Teto e outros tantos que não participam da divisão do bolo.
Mas, mesmo consciente dos riscos, não esperem ver em mim algum sinal de derrota. Aprendi com as plantas forrageiras do meu quintal que quando arrancadas já espalharam sementes e deitaram raízes para longe de caules e folhas. Plantas que as vezes parecem extintas, mas que depois da primeira chuva ou no fim do inverno, renascem e se alastram. E sempre haverá a próxima chuva, o próximo inverno e a próxima oportunidade.
Não nego que há possibilidade de morte pelo excesso de golpes. Mas sei também que as plantas se protegem e trabalham sem alarde, silenciosamente, compondo uma rede. Morrem aqui e nascem acolá.
Não esperem me ver derrotada frente ao descalabro. Antes declaro, sem mesuras, o meu orgulho de estar a esquerda das cenas lastimáveis, trazidas à público por uma casa que deveria nos representar.
Não me deixei derrotar depois de ver mais de trezentos parlamentares agindo como atores canastrões e repetindo justificativas patéticas, mal ensaiadas, que não enganariam nem aos próprios.
Antes, declaro sem medo, que enquanto eles descumpriam o segundo mandamento e tomavam o nome de Deus em vão, crescia a  minha convicção de que Deus é consciência plena, que as escolhas devem ser feitas em nome próprio e que o louvor só pode ser prestado mediante o exercício dos mandamentos.
Enquanto aqueles que deveriam proteger o país, jogam a nação aos predadores, em nome de suas religiões, declaro sem dúvidas, que se essa for a pratica de suas igrejas, prefiro orar no silêncio de meu quarto.
Não me coloquei derrotada depois da traição na votação das Diretas Já! E depois de assistir a essa nova traição, justificada pelas pessoas que se dizem “de bem”, com mentira de que atendem aos anseios populares, escolho estar à margem e aviso que nunca tiveram meu aval para falar em meu nome.
Não estive derrotada nem mesmo depois assistir um parlamentar acusado de inúmeros crimes, para quem a Procurador Geral da Republica pediu 184 anos de prisão, comandar um processo de impedimento. E também não estarei quando a mídia espúria do meu país gastar horas de seus noticiários e páginas de seus jornais e revistas com as denúncias sem provas, usadas para incitar a crença de que impedimento é necessário.  também não vou sucumbir frente a propaganda enganosa que pregou e pregará a ideia que a troca de presidente beneficiará o país,  quando,na verdade, atenderá apenas aos  interesses do grupo mais abastado do país. Isto, caso sobrevivam aos predadores que invadirão nosso território.
Não me coloco derrotada porque minha força independe das campanhas anti crença dessa mesma mídia. Sou imune a elas. Conheço seus artifícios e antes de dar-me ao desolamento, prefiro semear o que sei.
Não me deixo abater também por vivenciar a outra face do processo e o torno público. Meu ânimo tem vários motivos, mas destaco os principais. O primeiro foi verificar que aqueles que receberam meu voto o honraram. São parlamentares conscientes, conhecedores e respeitadores da Constituição Federal e capazes de denunciar as ações que a violam . São parlamentares que não precisaram submete-se, nem viver a sombra de mandantes espectrais.
Aqueles a quem confiei meu voto não pactuam com a entrega do solo e subsolo para as mesmas petroleiras que, em associação com a industria do armamento, dizimaram todo Oriente Médio e outros países em outros continentes.
Aqueles que escolhi para me representar fazem parte de um grupo não muito grande. No caso da Câmara Federal, o número não foi suficiente para barrar o golpe. Mas espero que sejam exemplo, que se multipliquem, que trabalhem incansavelmente para não deixar que os direitos trabalhistas sejam excluídos ou que as vozes das minorias seja caladas.
Tivemos um revés e temos o risco de que a situação se repita no Senado, mas não estive nem estarei derrotada, porque vivi esse processo em meio a uma multidão.  Pessoas, que mesmo perdendo a votação, continuavam a cantar “não vai ter golpe! ”
Uma multidão de gente de diferentes grupos sociais, das mais diversas vertentes culturais e diferentes idades, que seguiam a votação repudiando a farsa da maioria dos deputados e deputadas, com suas justificativas inventadas por algum marqueteiro medíocre que fez questão de inserir ideias expressas por Lula ao jornalista Glenn Greenwal. Uma multidão que comemorava cada voto contra o impedimentos e reforçava o voto de “vai ter luta!” Jovens, que de alienados não tem nada. Pessoas que com um terço de minha idade esbanja consciência.
Tenho esperança e a cada dia espalharei o que sei e buscarei o que meus parceiros sabem. Tenho esperança e a cada dia cuidarei das sementes e das raízes para que se alastrem e prevaleçam.

Não pensem que não tenho criticas ao governo do PT. Tenho muitas. De meu ponto de vista ocorreram erros e os principais foram de logística. Em 2005, quando os diversos grupos da velha mídia agiram em rede e atuaram sistemática e incansavelmente para minar o PT e, em particular àqueles que parecem, foram eleitos como os construtores das políticas de governo, nenhuma medida relevante foi tomada. Em pleno caos mundial, com o planeta a beira de um colapso ambiental e social,  a equipe de governo seguiu acreditando que o sistema capitalista tem jeito e pode atender as necessidades daqueles que não são donos dos meios de produção. Seguiu em rota de colisão com os próprios militantes, a maioria formados pelas ações nas bases do mesmo PT.

Mas se tenho críticas, também percebo que muito foi aprendido e que há chance de rever a rota. E se a equipe de governo entendeu que é necessário rever suas escolhas, os militantes, mesmo em desacordo com a gestão federal, entendendo o processo, se mantém em luta pelo estado democrático e pelo partido que criaram e ajudaram a crescer.

Também não imaginem que sou ingênua e que acredito que há partidos sem integrantes corruptos. Mas, se a corrupção no PT fosse sistêmica como querem nos fazer crer desde 2005,  com todo empenho de Lula,  o processo de impedimento estaria morto, soterrado sob negociatas. Mas o que assistimos e ainda estamos assistindo, prova exatamente o contrário.

 

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar