Lá vem Maria

A Arte Original dos Povos Originários

nov 11, 2016 por

 

 

 

img_0346Contamos mais de quinhentos anos desde a primeira invasão. Com a colonização, a arte  europeia  foi espalhada pelo território que antes era compartilhado pelos povos originários, plantas e bichos. Desde a chegada dos portugueses, navios foram aperfeiçoados. Ficaram maiores e mais velozes. Motores foram criados e, tenho impressão, que a roda foi reinventada. Trens e trilhos, carros e estradas, rádios, aviões, neons e televisão. O mundo ganhou aparelhos e mais aparelhos que replicam infinitamente a palavra escrita ou falada enquanto a prosa das comadres sume do mapa junto com o descanso do fim de tarde. Manufatura, a construção lenta e cuidadosa de cada objeto, virou exceção. Mas, superando todas as formas de opressão, muitos grupos de diferentes etnias, resistem. Uns mantém seus saberes pré cabralinos. Outros resgatam parte do que perderam. E todos nos ensinam que há outras maneiras de viver, que retratam em sua arte. A arte da humanidade que cultivam através dos tempos.

Parece distante ou fora de alcance, mas há, em Curitiba um espaço gostoso e bem cuidado, que mantém, para exposição e venda, a Arte Original dos Povos Originários.

Xondaro fica na rua Tibagi, 333, lj 1, no centro de Curitiba e alguns produtos estão na página da loja: facebook.com/xondarocwb.

ler mais

Encantamento em Voos Literários

nov 11, 2016 por

Voos Literários

Voos Literários

Descobri que exerço todos os direitos do leitor. Não sabia, mas faço isso há cinquenta anos. Desde o tempo em que descobri que as palavras escritas nos levam a todos os cantos do mundo. Elas nos apresentam as mais diversas culturas e as infinitas diferenças que compõem a beleza do mundo. Acabo de conhecer esses direitos, exercidos desde o tempo em que, deitada sobre o assoalho cuidadosamente encerrado e lustrado de meu quarto, mergulhava nas histórias de Monteiro Lobato ou nas páginas traduzidas de Mil e Uma Noites.

Confesso que também viajava na história ilustrada do Brasil e que ainda tenho na memória a imagem idealizada de Pedro Alvares Cabral e seu chapelão ornado com uma imensa pena. E mais. Virava e revirava o Atlas, tentando achar o lugar das histórias que lia ou  imaginando futuras viagens.

Mas o assunto são os direitos que acabo de descobrir. Foram apresentados, em cuidadosa leitura encenada, pelo ator Carlos Moreira, no espetáculo Voos Literários, do grupo Parabolé. Além de Carlos, Larissa Lima e Vanessa Vieira integram o trio de atores que encantam.

Assistindo Voos Literários puxei o fio da infância, fiz uma pausa para resgatar a beleza da vida e recompor a energia.

O espetáculo trata do prazer de ler e o faz de forma a provocar um “que pena que acabou”. Levi Brandão assina a direção artística e os atores, a cada movimento, espelha a criança de cada um. Rennan Negrão fez de cenário e figurinos uma obra de arte indivisível e perfeita para este espetáculo.

Ao Parabolé: obrigada! Continuarei exercendo todos meus direitos de leitora!

ler mais

Posts Relacionados

Tags

Compartilhar

Não espere por mim, Margarida

nov 10, 2016 por

foto de Erly Ricci

foto de Erly Ricci

Não espere por mim, Margarida.
Abdicar é a conta da revolução e escolhas são feitas de planos e despedidas.
Mudo de rota, de roteiro, de sonhos e aspirações. Na bagagem, risos e choros, noites nuas e outras, cheias de ternura.
Carrego no mesmo laço os espinhos da estrada e as flores coloridas, as picadas das abelhas e o sabor do mel que sacia.
Estou de partida e não tenho o desenho da estrada. Acaso ficasse, morreria. E, creio, de nada vale ter ao lado, um morto vivo. A vida, Margarida, não perdoa quem deixa o medo refrear o caminho.
Não espere por mim, doce amiga.

ler mais

Posts Relacionados

Tags

Compartilhar

Eu e meus surtos de lucidez

set 15, 2016 por

CONJECTURANDO SOBRE CUNHA E DILMA:


Bastaria traçar um perfil de Dilma para ter certeza de que ela não cederia a chantagem de alguém tão corrupto quanto Cunha.
Bastaria traçar um perfil de Cunha para saber que, sob ameaça, ele iria ás últimas consequências.
Colocando Cunha na presidência da Câmara, entrando com pedido de impeachment da presidente e apertando o botão para que o deputado ficasse sob ameaça da comissão de ética, a bomba estaria com o estopim aceso.
Juntando a estratégia com ações dos velhos meios de comunicação que desde 2005 trabalham em rede para destruir moralmente os governos eleitos e adicionando outras, como por exemplo, a criação e/ou apoio aos grupos pró impeachment o que temos?
Confrontos entre segmentos sociais exacerbados, crescimento da incapacidade de discernimento e da capacidade de critica, desesperança, desistência.
Parece loucura? Devaneio?
Parem e pensem.
Um jogo ardilosamente montado. Arquitetado muito antes da última eleição. Um cruel jogo de xadrez feito com peças humanas.
Cunha, o aparente todo poderoso nem chegou a ser o rei do tabuleiro, como pensou ou demonstrou ser. Talvez uma torre, um bispo ou cavalos, mas nunca rei ou rainha. E se antes era uma peça travestida de outra, hoje é Boi de Piranha. E Boi de Piranha serve para saciar os peixes enquanto a manada atravessa o rio. E neste caso, o rio é o limite entre termos ou não um país onde morar , termos ou não uma nação que nos acolha, termos ou a gerência do Pré-Sal e da Petrobras, termos não água potável.
O Brasil não é o melhor lugar do mundo. E nem sei se há um melhor lugar no mundo. Mas é o nosso lugar e se superarmos ou minimizarmos nossas contradições podemos ter uma pátria melhor, mais humana. Para onde migraremos se deixarmos que desmontem nosso lugar de viver?
Sim, os golpistas traem aquela que seria a própria pátria. Sim, é necessário que sejam julgados por isto. Mas há uma questão que se impõe:
Onde está a cabeça desse desmonte da nossa nação? Quem ou o que brinda Aécio, José Serra, Temer e companhia? Quem ou o que determina as ações do judiciário que deveria sustenta aplicar a lei e manter a integridade da nação brasileira?

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

Logistica, Tática, Estratégia, GOLPE II

ago 24, 2016 por

Olhando para além das fronteiras

Há um emaranhado de fatos e situações envolvendo o golpe. Há uma série de ocorrências que, interligadas e encadeadas, produziram e sustentam o golpe. Não é nossa pretensão esgotar todas as facetas dessa rede. Mas entendemos que ordenando e cruzando informações publicadas em diferentes blogs e sites é possível revelar as conexões e articulações. Ordenar, cruzar e proceder a leitura são partes de um método aplicado, com frequência, para rastrear valores. Mas esses recursos podem ajudar na elucidação de elementos do entorno do golpe, sejam eles parte da face caseira do mesmo ou de seus tentáculos internacionais. E o melhor ponto para iniciar esse processo são os cobiçados reservatórios do Pré-Sal.
Para facilitar a leitura e tornar possível o aprofundamento, os sites e blogs consultados estão enumerados e listados ao final do texto.

Os maiores reservatórios petrolíferos do Pré-Sal estão concentrados no litoral do Brasil, no Golfo do México e na costa Ocidental da Africa. No Brasil atingem desde o litoral do estados de Santa Catarina até o do Espirito Santo, podendo chegar ao Ceará.
As informações acima são facilmente obtidas em uma dezena de sites, alguns especializados, outros não. São referendadas pelos resultados obtidos pela Petrobras nos últimos 8 anos. Neste período mais de 50% das descobertas de petróleo no mundo foram em águas profundas e 63% delas no Brasil.
A existência de petróleo no Pré-Sal brasileiro foi constatada em 2007, mas em 2006 a Petrobras já anunciava a descoberta do campo de Tupi, na Bacia de Santos. A prospecção teve inicio em 2008, no campo de Jubarte, Bacia de Campos. Os três primeiros campos do Pré-Sal (Tupi, Iara e Parque da Baleias) fizeram com que as reservas brasileiras comprovadas saltassem de 14 bilhões para 33 bilhões de barris. A perspectiva era de que pudessem atingir de 50 a 100 bilhões de barris. Em 2010 o Estadão anunciava que, segundo projeção da certificadora Gaffney, Cline & Associates, em relatório elaborado por encomenda da Agência Nacional do Petróleo (ANP), apenas as reservas do pré-sal da Bacia de Santos podem conter 15 a 20 bilhões de barris (5).
Extrapolando as expectativas acima, em 2015, o Instituto Nacional de Óleo e Gás da UERJ estimava que as bacias de Campos e Santos, contém ao menos 176 bilhões de barris de petróleo e gás natural (barris de óleo equivalente), que são recuperáveis. Os reservatórios podem chegar a 273 bilhões de barris.
O óleo em questão é do tipo leve, de 28º a 30° na escala do American Petroleum Institute (API) e tem maior valor no mercado. (1, 3 e 4 )
Em 2009 a Petrobras deu inicio, no campo de Tupi, ao que denominou teste de longa duração. A estatal afirmava já possuir tecnologia para viabilizar a extração na área, mas declarava que o objetivo era desenvolver novas tecnologias, visando maior rentabilidade.
Em paralelo aos anúncios da estatal, ainda em 2008, uma comissão inter-ministerial passou a discutir propostas visando estabelecer um novo projeto de marco regulatório para as reservas da área e os leilões de petróleo para a mesma, foram interrompidos. Em 31 de agosto de 2009 foram anunciados, pelo governo federal, quatro projetos de marco regulatório para o pré-sal. (2 e 4)
No mesmo ano uma série de debates foram desencadeados por vários setores. Estes, afirmando que a Petrobras não teria condições financeiras para explorar o pré-sal, passaram a fazer oposição a proposta governamental. Entre esses setores estão os partidos políticos de oposição ao governo, federações de indústrias, o setor financeiro e as multinacionais petrolíferas. (1)
O Brasil anunciava ao mundo que além de água potável abundante, biodiversidade, nióbio e tantos outros minérios, tem também muito petróleo. Exatamente no mesmo período, os golpes começavam a atingir as Américas. O primeiro, ainda em 2009, tomou Honduras. O golpe militar hondurenho foi justificado pela intenção do presidente Zelaya de realizar um referendo. Pretendia que os hondurenhos decidissem sobre a convocação de uma Assembleia Constituinte junto com as eleições que aconteceriam no prazo de 5 meses. Mas a versão dos golpistas foi e é contestada. A oposição ao governo pode ter sido desencadeada quando o pais se alinhou a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alianza Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América – Tratado de Comercio de los Pueblos – ALBA) e pela aproximação com a Venezuela. Com a aproximação, o governo pretendia alavancar o desenvolvimento do país e promover melhorias na qualidade de vida.
Segundo publicação da Carta Capital, Ramón Barrios, professor de Direito Constitucional em San Pedro Sula declarou que “existia uma clara ingerência do governo norte-americano no país, por meio de empresas privadas e suporte financeiro para manifestantes opositores”. (6)
O golpe hondurenho foi rápido e sem reversão. A expulsão de Honduras da OEA, ainda em 2009 não teve efeito sob o mesmo.
No mesmo ano, no Brasil, especificamente no Paraná, foi desencadeada a operação Lava Jato. O foco inicial era investigar uma rede de postos de combustíveis e lava a jatos de automóveis usadas para movimentar recursos ilícitos. Os crimes envolviam o ex-deputado federal José Janene, os doleiros Alberto Youssef e Carlos Habib Chater. Alberto Youssef já havia sido investigado e processado por crimes contra o sistema financeiro nacional e de lavagem de dinheiro no caso Banestado. Este caso também foi conduzido pelo juiz Sergio Moro, mas, apesar do montante desviado, os resultados foram, no mínimo, frustrantes. (7 e 8)
Em 2010, com a promulgação as leis 12.276/10 e 12.351/10 foram instituídos os sistemas de cessão onerosa e partilha de produção. O sistema vigente, de concessão, foi mantido e o Brasil passou a ter três sistemas diferenciados para exploração de gás e petróleo. (3)
Este foi também o ano em que o Wikileaks (www.wikileaks.ch) divulgou que o candidato brasileiro a presidência da república, José Serra, havia estabelecido negociação com os Estados Unidos, em particular com a petroleira norte-americana Chevron. De acordo com os documentos divulgados, José Serra teria assumido o compromisso de reverter as regras para exploração do petróleo do Pré-Sal, retomando o modelo anterior.(9)
O candidato citado foi derrotado pela candidata do PT, Dilma Rousseff, ex ministra de Minas e Energia e depois, da Casa Civil, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.
Dois anos depois, enquanto a Petrobras avançava com novas tecnologias e o governo brasileiro estabelecia novas parcerias, criando nova rota para de distribuição mundial do petróleo, ocorreu o golpe no Paraguai. Em 22 de junho de 2012 o Senado paraguaio aprovou a remoção de Fernando Lugo do poder. Assumiu o vice-presidente Frederico Franco, do Partido Liberal Radical Autêntico que um ano antes havia rompido a coligação com o presidente golpeado. Lugo, um ex-bispo católico ligado aos movimentos de esquerda foi acusado de ter fraco desempenho. Para desencadear o processo usaram o confronto entre policiais e camponeses durante a reintegração de posse de uma fazenda, que deixou dezessete mortos e oitenta feridos. O processo de impeachment que durou pouco mais de 24 horas e que deu ao acusado apenas duas horas para construir sua defesa, foi legitimado pelo Tribunal Superior Eleitoral do país e considerado ilegal e ilegítimo pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos.
De acordo com matéria publicada no Carta Campinas, “setores de mídia, Justiça e político agiram de forma organizada para depor Fernando Lugo, que foi eleito pela população.” (10)
Mesmo com a contestação internacional, que incluiu OEA, o golpe paraguaio, consumado em apenas dois dias, a exemplo do hondurenho, também não sofreu reversão.
Em 2013 aconteceu o primeiro leilão do Pré-Sal. O consórcio formado pela Petrobras, Shell (anglo-holandesa), Total (francesa), CNPC e CNOOC (estatais chinesas) venceu o processo que teve apenas 11 empresas interessadas. As norte-americanas Exxon Mobil e Chevron e as britânicas British Petroleum (BP) e British Gas (BG), que são as gigantes do mercado, ficaram fora do leilão.
No período do primeiro leilão surgiram os primeiros protestos com foco no Pré-Sal e na Petrobras. Coincidência ou não, é exatamente a estatal brasileira do petróleo que, a partir de 2014, passa a ser revirada pela operação Lava Jato, que, acoplando outras operações de investigação, se tornou uma mega operação. Estes procedimentos ocuparam incessantemente os veículos de comunicação em ano de eleição presidencial. Eleição que se tornou a mais difícil e pesada desde o fim da ditadura militar. Ao denuncismo desenfreado dos meios de comunicação foram acoplados as ações de grupos estruturados que, sem histórico anterior, emergiram e se multiplicaram na cena nacional. Grupos que mantiveram atuação contra o governo até que fosse instaurado o processo de impeachment. Grupos que não declaravam a origem de seus recursos, mas que, em parte, eram originários de partidos de oposição. (11 e 12)
Quanto a mudança de foco da Lava Jato, não foi a primeira vez que isto ocorreu com uma investigação. O mesmo tipo de procedimento já havia ocorrido no designado “mensalão”. Uma CPI instalada para investigar uma corrupção associada a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – Correios, denunciada por um corrupto ativo, teve ampliação de foco, invadiu os meios de comunicação e, não só julgou e condenou seletivamente, com ou sem provas, como transformou o uso de caixa dois em pagamento mensal para obtenção de apoio de parlamentares que já eram aliados do governo. (13)
Segundo o site MPF (8) o esquema de corrução investigado na Lava Jato envolveria membros de três partidos: PP, PT e PMDB. O site apresenta um esquema da circulação das propinas. Mas o foco das investigações e dos shows midiáticos restringem-se aos integrantes do PT e as empreiteiras que participam de licitações e constroem para o Governo Federal desde o século XX, só recebem acusações referentes aos contratos realizados na última década. O PMDB, não só foi poupado, como passou a governar o país, enquanto a presidente eleita, que nunca foi citada em uma delação, está afastada do cargo.
Em 2015, o g1.globo.com (14) publicou as estimativas do Instituto Nacional de Óleo e Gás da UERJ, indicando “que as bacias marítimas sedimentares de Campos e Santos, contém ao menos 176 bilhões de barris de recursos não descobertos e recuperáveis de petróleo e gás natural (barris de óleo equivalente)”. No mesmo ano, Mauricio Macri ganhou as eleições na Argentina usando o mesmo lema da campanha de Barack Obama: “Sim, é possível”. A campanha, segundo matéria publicada em bbc.com/portuguese, contou grupos de políticos de centro-direita, empresários, ativistas de ONGs e jovens profissionais sem experiência anterior em comícios. “Nos últimos meses, eles criaram técnicas de marketing nunca antes vistas na política nacional, como distribuir doces, sorvete ou pipoca na rua. Também encheram balões em espaços públicos e espalharam, com a ajuda de sua legião de jovens voluntários, slogans emocionantes que clamavam por mudança…”(15)
No Brasil ações semelhantes são coibidas pela legislação, mas há semelhança com a eclosão dos grupos pró impeachment que surgiram sem qualquer histórico de mobilização ou lutas.
Na Argentina, além das estratégias de campanha, as alianças com radicais renderam uma enorme estrutura ao partido do atual presidente, que antes, governava apenas a cidade de Buenos Aires.
Depois de estabelecer uma politica neoliberal radical, Macri liberou a instalação de duas bases militares americanas em território argentino. (16 e 17)
O site defesaaereanaval.com.br relaciona instalação das bases aos recursos naturais, como o Aquífero Guarani. E o argumento é pertinente. Mas, soma-se a este risco o fato de que entre o local de uma das bases e o Pré-Sal existe apenas uma pequena extensão do território brasileiro, contendo os estados de Santa Catarina e do Paraná.(18)
Depois de anos de destruição moral do governo eleito, em 2016 chegamos ao afastamento da presidente eleita em 2014. Assim como no Paraguai, assumiu o vice presidente, que pouco tempo antes, tinha rompido a aliança. Assumiu como provisório, atua como se tivesse sido eleito para o cargo e com rapidez, destrói a estrutura administrativa e econômica do país, elimina direitos garantidos pelas leis brasileiras e agiliza a entrega dos reservatórios de petróleo.

Além desses dados, há outro, anterior e também relevante.
O Pré-Sal, ainda que localizado além da área considerada como mar territorial brasileiro, está dentro da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil. No caso da descoberta de novos reservatórios, fora da ZEE, mas na área da plataforma continental, o Brasil ainda poderá reivindicar exclusividade sobre os mesmo.
Esses direitos estão assegurados pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, (CNUDM) adotada em Montego Bay, Jamaica, na data de 30 de abril de 1982.
A Convenção obteve de 130 votos a favor, 4 contra (Estados Unidos, Israel, Turquia e Venezuela) e 17 abstenções que incluem Reino Unido, República Federal da Alemanha, Itália, União Soviética e outros países da Europa, na época, socialistas.(19 e 20))
Alguns países não assinaram e outros assinaram, mas não ratificaram a assinatura na CNUDM. Estados Unidos está entre os poucos que não assinaram. O mapa com a posição de cada país pode ser visualizado em dipprofessorblanes.files.wordpress.com (21)

A tese publicada no endereço acima apresenta não só os termos do tratado, mas os conflitos mundiais que o envolvem ou que estão no entorno.

Nos países que, assim como Brasil, foram golpeados, a miséria, a violência e o narcotráfico, crescem assustadoramente. Mesmo na Argentina, que pelas urnas, levou ao poder um governo com as mesmas posições dos dirigentes dos países golpeados, há um crescimento acelerado da miséria (22, 23, 24 e 25)
Não temos perspectivas melhores. Antes, a permanecer o golpe, corremos o risco de chegarmos a condições semelhantes as do Oriente Médio.
Uma vez que se instalem, as petroeiras irão preferir a guerra a abandonar seus vultuosos lucros.
America do sul e central.1Cruzando os dados, traçamos o perfil de uma invasão dissimulada, mas ardilosamente articulada, não só do Brasil, mas das Américas Central e do Sul, com domínio sobre a Antartida. Ardilosamente articulada por usar os próprios hondurenhos, paraguaios, argentinos e brasileiros na ação de apropriação de seus países.
Nos três países golpeados, a ação só foi possível com a cooptação do poder judiciário. Nos dois anteriores, instâncias internacionais condenaram o golpe, mas o judiciário local deu suporte a ação. No Brasil, não fosse a conivência do judiciário, com todos indícios e provas de há um golpe em curso, a Lei 7.170, de 14 de dezembro de 1983 poderia ser amplamente aplicada, inclusive aos parlamentares que o aprovam. Os artigos 1º e 4º principalmente. Mas é preciso lembrar que se em qualquer organização a Assembleia Geral é soberana, numa nação a decisão do povo tem o mesmo efeito. Podemos, em conjunto, exigir a aplicação da lei.

Lei 7.170, de 14 de dezembro de 1983
Titulo 1
Disposições Gerais
Art. 1º – Esta Lei prevê os crimes que lesam ou expõem a perigo de lesão:
I – a integridade territorial e a soberania nacional;
II – o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito;
III – a pessoa dos chefes dos Poderes da União.

Art. 4º – São circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não elementares do crime:
I – ser o agente reincidente;
II – ter o agente:
a) praticado o crime com o auxílio, de qualquer espécie, de governo, organização internacional ou grupos estrangeiros;
b) promovido, organizado ou dirigido a atividade dos demais, no caso do concurso de agentes.

(1) https://pt.wikipedia.org/wiki/Camada_pr%C3%A9-sal

(2) https://diariodopresal.wordpress.com/novo-marco-regulatorio-do-petroleo-pre-sal/

(3) http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/areas-de-atuacao/exploracao-e-producao-de-petroleo-e-gas/marco-regulatorio/

(4)) http://exposicao60anos.agenciapetrobras.com.br/decada-2000-momento-44.php.

(5) http://www.estadao.com.br/blogs/jt-seu-bolso/2010/09/20/pre-sal-ja-tem-29-bilhoes-de-barris-comprovados/

(6)http://www.cartacapital.com.br/revista/895/honduras-e-paraguai-motivos-de-inspiracao

(7) http://lavajato.mpf.mp.br/atuacao-na-1a-instancia/investigacao/historico/por-onde-comecou

(8) http://lavajato.mpf.mp.br/entenda-o-caso

(9) http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/wikileaks-as-conversas-de-serra-com-a-chevron-sobre-o-pre-sal.

(10)http://cartacampinas.com.br/2016/03/ha-mais-de-um-ano-o-brasil-resiste-a-um-golpe-paraguaio/

(11)http://www.diariodocentrodomundo.com.br/quem-financia-os-grupos-que-pedem-o-impeachment/

(12)http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/05/27/maquina-de-partidos-foi-utilizada-em-atos-pro-impeachment-diz-lider-do-mbl.htm

(13) https://www.youtube.com/watch?v=tq15GeVliVI.
(14) http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/08/pre-sal-do-brasil-contem-176-bilhoes-de-barris-de-petroleo-e-gas-diz-estudo.html

(15)http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/11/151123_analise_macri_vitoria_argentina_lgb

(16)http://www.sociedademilitar.com.br/wp/2016/05/base-americana-sera-construida-na-triplice-fronteira-em-territorio-argentino.html
(17)https://actualidad.rt.com/actualidad/212184-cual-verdadero-objetivo-bases-militares
(18)http://www.defesaaereanaval.com.br/macri-abre-argentina-para-duas-bases-estrategicas-dos-eua-cone-sul-em-perigo/
(19) https://jus.com.br/artigos/6021/convencao-das-nacoes-unidas-sobre-direito-do-mar

(20) http://funag.gov.br/loja/download/1091-Convencao_do_Direito_do_Mar.pdf

(21) https://dipprofessorblanes.files.wordpress.com/2016/03/trabalho-dip-direito-do-mar.pdf

(22) www.cartacapital.com.br/internacional/novo-presidente-toma-posse-em-honduras-pais-mais-violento-do-mundo-2061.html

(23) http://outraspalavras.net/outrasmidias/destaque-outras-midias/retrato-do-paraguai-tres-anos-depois-de-lugo/

(24) http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/05/1773596-economia-argentina-piora-com-macri-e-pais-vive-sob-expectativa-de-2017.shtml

(25) http://www.pampalivre.info/narcotrafico_maior_negocio_imperialista.htm

ler mais

O Crônicas segue, apoiando a Resistência.

ago 17, 2016 por

 

lançamento do Crônicas da Resistência em Curitiba

lançamento do Crônicas da Resistência em Curitiba

Hoje, 17 de agosto de 2006, mais um exemplar do livro “Crônicas da Resistência – Narrativas de uma democracia ameaçada” partiu. Seguiu rumo a capital de outro estado brasileiro. Uma pessoa jovem presenteou outra, também jovem.
Poderia imaginar que nossas narrativas teriam grande impacto na vida da pessoa presenteada ou do presenteador, mas não é assim que sinto. A verdade é que o fato trouxe uma alegria orgulhosa. A pequena crônica, que condensa anos do olhar que lanço aos fatos, será lida por quem chegou ao mundo uns trinta anos depois de minha aterrizagem. Mas em minutos de conversa, três décadas que poderiam ser um abismo, transmutaram em tempos de aproximação e entendimento.
Encaramos os fatos com focos semelhantes. Entendemos os fatos com profundidade e amplitude similares.
A experiencia provocou uma viagem no tempo e lá estou, com idade próxima a da pessoa que presenteou e da que foi presenteada. Resgato o longo caminho de aprendizagens. E, na ponta de cá, entendo o mundo com critérios próximos aos daqueles que só caminharam metade do caminho que já fiz.
Retomo também as conversas com outros autores do livro, no ato do lançamento de Crônicas da Resistência. Nas narrativas estão desde olhares de pessoas com idade próxima a minha, quanto a deles. Muitos com atuações admiráveis. Muitos anônimos e, assustadoramente, lúcidos.
Enfim, a experiencia de hoje soma-se a outras e prova que o mundo é diverso e complexo. Essa realidade estanque e dicotomizada que nos vendem todos os dias interessa ao golpe e aos golpistas.
Essas pessoas de pouca idade, admiradores dos regimes ditatoriais que tomam as mídias não são maioria. A população do Brasil, assim como o mundo, é complexa, heterogênea nos mais diversos aspectos, incluindo o humanitário. A consciência segue curso não linear, mas a propaganda não dá destaque àqueles que estão do outro lado, que não pactuam dos interesses de quem dá a vida valor menor que o capital.
Ao final da reflexão, concluo que Crônicas da Resistência pode fazer diferença na vida de quem presenteou e de quem foi presenteado. As narrativas dirão a eles que há respaldo para seus pensamentos, suas análises, suas críticas e seus entendimentos. Pode ser alento para que sigam diferenciados. Para que não se vejam sozinhos em meio a essa versão sem luz nem esperança que querem nos impor.

ler mais

Posts Relacionados

Compartilhar

Crônicas da Resistência: para dizer sim a liberdade e a vida.

jul 25, 2016 por

cronicas livroQue valor tem a terra se já não sustenta árvores, arbustos ou plantas forrageiras?
Que valor tem a terra que depois de sulcada pelo trator recebera sementes que germinarão, mas  não alimentarão aqueles que nela vivem?
Que valor tem a terra que já não abriga pássaros, borboletas, gambás ou cobras?
Que valor tem a terra envenenada, que envenena a água, que envenena a vida?

Que valor tem um país que não acolhe nem protege aqueles que vivem em seu solo?
Que valor tem um país que mata seus habitantes de fome, sede, desamparo ou abuso?
Que valor tem um país que se entrega a exploração de outro e definha?
Que valor tem um país que entrega aqueles que o construíram para que sejam nada além de seres escravizados?

Hoje, no Brasil de agora, lutamos ou seremos apenas um povo saqueado.
Por isso, hoje, no Brasil de agora, resistimos e resistiremos, sabendo que unir forças é imprescindível a preservação da multiplicidade de etnias, línguas e saberes que nos enriquece e nos faz únicos.
Para que possamos ter pátria.
Para que possamos ser nação.
Para que não nos roubem as oportunidades de sermos, humanamente, melhores do somos.

Dia 28/07/2016, a partir das 18 horas, no teatro da Reitoria/UFPR, com o lançamento do livro coletivo Crônicas da Resistência, reafirmaremos o sim à liberdade e a vida, dizendo, mais uma vez, não ao golpe!

O livro conta com prefácio de Adolfo Perez Esquivel,  Prêmio Nobel da Paz de 1980 e incansável defensor da liberdade e dos direitos humanos.  Leonardo Boff assina a contracapa.

A abertura será com o espetáculo “Os Semeadores de Sonhos” com João Bello e Susi Monte Serrat e Cultura Resiste

Serviço:
Livro Crônicas da resistência 2016 – Narrativas de uma democracia ameaçada Editora ComPactos 230 pg R$ 30,00 Local: Teatro da Reitora UFPR
Horário: 18h
Dia: 28 de julho
Endereço: Rua XV de Novembro, 1299 – Centro – Curitiba (PR) Contato com a editora e autores pelo e-mail: cleusaslaviero@hotmail.com

crônicas autores

participantes do livro Crônicas da resistência

ler mais